domingo, 28 de março de 2010

COLÉGIO BARRA ADOLESCENTE COM CABELO MOICANO EM GRAVATAÍ

Deu no Jornal Zero Hora:

"Ao ser barrado no colégio por causa de um corte de cabelo considerado “extravagante”, como prevê o regimento interno, um estudante de Gravataí, na Região Metropolitana, levantou uma polêmica no ambiente escolar. O caso, que chegou a ser registrado pela família na 2ª Delegacia de Polícia do município, suscita um debate sobre os limites da interferência das instituições de ensino no visual dos alunos.

"Afirmando que o filho sofreu constrangimento e humilhação, a dona de casa Laureci Amorim Custódio, 53 anos, pretende ingressar na Justiça. Na sexta-feira, Eduardo Antônio Custódio Franco, 13 anos, foi impedido de frequentar as aulas na 8ª série do Colégio Adventista.

"Depois de quatro anos estudando na instituição, o garoto surpreendeu professores e funcionários ao aparecer com um corte no estilo moicano. Raspado nas laterais da cabeça e mais alto da nuca à testa, o cabelo foi avaliado como “extravagante”. Impedido de frequentar a aula, Eduardo foi levado para uma sala isolada, onde recebeu a lição do dia enquanto esperava a chegada do pai, chamado pela direção.

– Além de falarmos para ele que o cabelo estava fora dos padrões definidos pela escola, tivemos o cuidado de não expô-lo aos demais estudantes, pois ele poderia ser motivo de chacota. Ele estava tão diferente que o pai de outro aluno que o viu entrar perguntou se era mesmo um aluno nosso – afirma o diretor da instituição, Isaac Santos.

"No regimento do Colégio Adventista, aprovado pelo Conselho Estadual de Educação, constam normas que devem ser seguidas pelos estudantes. No caso dos meninos, é vedado cabelo comprido ou cortes extravagantes, piercings e brincos. Às meninas, também não são permitidos cabelos extravagantes, o que inclui cores fora das habituais, como vermelho e azul, além do uso de piercings, joias e bijuterias. A instituição justifica que as normas são apresentadas aos pais ou responsáveis no momento da matrícula.

"Para a família do garoto, a escola não pode interferir em algo tão pessoal e que não tem relação direta com o aprendizado. Desde sexta-feira, Eduardo não frequenta as aulas.

"– Meu filho sofreu constrangimento e não quer mais ir à escola, está nervoso e aborrecido. Falaram que ele era um mau exemplo para os demais, o que não concordo. Vou transferi-lo de escola, porque acho que vão persegui-lo se continuar ali – diz a mãe, que reconhece que no contrato de matrícula aparece a restrição a cortes de cabelo diferenciados."

Nota: "Tem se tornado cada vez mais comum dizer que quem nós somos é mais importante do que o que vestimos ou como nos apresentamos. No entanto, não podemos esquecer que a aparência revela não apenas o nosso nível social, econômico e educacional mas também nosso caráter. A aparência exterior influencia as reações não somente daqueles com quem nos relacionamos mas também a nossas próprias. Também está em jogo nessa história a obediência a regras pré-estabelecidas. Deus espera que sejamos obedientes as leis de Deus e também obedientes e honestos as leis civis (Tiago 2:10 e Romanos 13:1-4). E, certamente, essa obediência deve começar pela escola.

Além disso, uma das características da Escola Adventista é respeitar as pessoas. Isso ficou evidente nesta matéria. 'Eduardo foi levado para uma sala isolada, onde recebeu a lição do dia'. O objetivo foi, em primeiro lugar, não transgredir uma regra pré-estabelecida da escola e conhecida desde o momento da matrícula, e segundo 'não expô-lo aos demais estudantes, pois ele poderia ser motivo de chacota', ou seja, a proteção do aluno." [EFávero]

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

COMPARTILHE

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More