quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Resumo da lição 13 da Escola Sabatina

CLIQUE NA IMAGEM AO LADO PARA BAIXAR A LIÇÃO EM POWER POINT

Título: “Todo resto é comentário”

Texto-chave
“Você, por que julga seu irmão? E por que despreza seu irmão? Pois compareceremos diante do tribunal de Deus”. Romanos 14:10 NIV.

Objetivos
1. Mostrar que existem assuntos de menor relevância, que são pontos de divergências na maneira de pensar dos membros, mas que servem para mostrar que mesmo assim a unidade da igreja deve se mantida, sob as bases do respeito e amor ao próximo.

2. Existem opiniões mais e menos ou nada conservadoras sobre assuntos onde não existem o claro: assim diz o Senhor”, mas isso não quer dizer que estão erradas ou certas. O que deve prevalecer é o respeito às pessoas que pensam de uma forma ou de outra.

3. Quando julgamos pessoas por pensarem diferentes de nós, estamos nos colocando acima dos princípios ou no mínimo como advogados deles, sendo que Deus nos chamou para ser “testemunhas e não advogados de Seus princípios. Deus é quem julga a todos.

Verdade Central
Mais importante que julgarmos pessoas nas diferentes maneiras de se interpretar ou viver certos assuntos que a Bíblia apresenta sem no entanto definir ou detalhar, é amarmos uns aos outros e considerando os outros mais importantes que nós mesmos, no Senhor.

Lição de Domingo: O irmão fraco

Qual a forma correta de lidarmos com questões que são focos de diferentes de opiniões entre os membros da igreja, mas que acabam se tornando motivos de conflitos e julgamentos ?

- Se a questão dá abertura a diferentes pontos de vistas é porque talvez não exista luz suficiente sobre a questão, portando o princípio a servir como base, é o respeito às pessoas e sua decisão em pensar e agir de acordo com o que a consciência estabelece.
- Alguém com uma conclusão diferente da nossa, deve ser considerada uma pessoa como apenas “uma pessoa com uma “opinião” diferente da nossa e não uma pessoa “diferente” ou “pior”ou “com menos discernimento”que nós.
- Somos todos iguais diante do Deus que nos aceita com amor, independente de nossa debilidades. E se alguém tem que emitir algum julgamento, é Ele.

Lição de segunda-feira: A medida que vocês usarem

Qual deve ser nossa postura diante do próximo que no nosso modo de entender, algumas vezes estão agindo de maneira equivocada, seja este no nosso pontos de vista “fraco na fé”, seja eu considerado “o forte”?

- Em primeiro lugar Deus não nos chamou para sermos advogados dos princípios, mas sermos testemunhas da verdade. Quando assumimos a postura de advogados, podemos confundir atitudes, fatos, interpretações e pessoas.
- Se cada um de nós vivêssemos as verdades, sejam elas de primeira importância, ou secundárias, sem nos preocuparmos a maneira como o outro decidiu vive-las ou até ensiná-las, haveria mais harmonia e menos conflitos.
- Quando tomamos a prerrogativa de julgar, ferimos um princípio bíblico o que nos tira por sí só completamente a razão e nos incapacita de termos razão mesmo na razão.
- Precisamos lembrar que com a mesma medida que julgarmos seremos julgados.

Lição de terça-feira: Não dando motivos para escândalo

Como entender a afirmação: “Ninguém é norma de ninguém, no entanto o que faço atinge positiva ou negativamente as pessoas”?

- Temos que ter o real cuidado em não condenarmos as pessoas por não terem a mesma visão no cuidado dos hábitos alimentares, ou na temperança que nós.
- Quando a Bíblia estabelece princípios de saúde, eles são inegociáveis, mas quando o Espírito de profecia nos oferece “conselhos”, eles são flexíveis.
- Assim como não posso criticar ou condenar alguém por agir de maneira diferente de nós em questões secundárias, ao mesmo tempo tenho que ter um especial cuidado em não servir de motivo de escândalo a quem difere de nós.

Ex: Uma jovem senhora evangelizada usava um par de brincos discretos que foi colocado pela sua mãe por ocasião e seu nascimento. Um brinco que pertencia à bisavó que foi passando pela avó, mãe, até chegar a ela. Era como se fizesse parte de sua vestimenta básica, além do valor sentimental. No ponto de vista dela, pelas razões que ela usava isso não iria interferir em sua salvação por não usar o acessório por vaidade. Em não poder-se julgar o coração dela, provavelmente, tinha razão ao afirmar que que o par de brincos não seria a razão de ela não ser considerada apta para o céu, mas como explicar isso a cada membro da igreja de sua comunidade ou outros que a perceberem em abrir precedentes ou ferir a consciência de outros?

Lição de quarta-feira: Observância de dias

Por que a afirmação de Paulo com respeito à observância de dias não pode ser aplicado à observância do sábado como quarto mandamento?

- Porque a o fato de Paulo mencionar “façam o que quiserem” exclui o mandamento moral.
- A palavra shabbaton que aparece no livro de colossesses 2:16 que é usado para reforço da idéia da inclusão do sábado, sétimo dia da semana, como tendo sido anulado, é possivelmente usado também para as festividades cerimoniais que é a lógica do texto no contexto imediato e geral do texto e da bíblia.
- A lei moral entre na categoria de assuntos fundamentais, por fazer parte da lei moral, “santa, justa e boa” e não de assuntos periféricos que dão margem a um procedimento diferente, baseado em interpretações diferentes.
- E a questão aqui não é de guardar dias ou não, mas o julgamento que alguns faziam de quem observava as festas judaicas ainda ou não .

Lição de quinta-feira: Benção de Conclusão

Como Paulo termina sua carta diante de assuntos tão importantes, difíceis, contundentes que são apresentados nas sessões anteriores??

- Paulo chama a atenção dos crentes ao amor, ao cuidado que devemos ter uns para com os outros, procurando tirar a atenção do eu e levar ao que é de fato importante.
- Paulo enaltece a pessoa de Cristo mostrando o que de fato deveria ocupar a mente dos seus seguidores.
- Se Jesus que era o próprio Deus se subjugou e aceitou com humildade injúrias, calúnias, maus tratos, e muito mais com paciência, quanto mais nós que somos errados por natureza não devemos buscar a mesma excelência.

Conclusão

1. Devemos com zelo e oração pedir ao Espírito Santo que nos dê sabedoria para lidarmos tanto com questões fundamentais das razões de nossa fé e das periféricas para não criarmos barreiras no nosso coração e de nosso próximo impedindo assim de vivermos o mandamento maior.

2. Termos a percepção de que quando entramos em assuntos periféricos na tentativa de fazer prevalecer nossa ideia sobre “outros” e não necessariamente sobre a “ideia” de outros, muitas vezes estamos tentando minimizar questões pessoais que precisam ser sanadas em nosso coração, o que acaba nos desqualificando a qualquer ação, mesmo na justificativa do “zelo” pela Palavra de Deus.

3. O julgamento pertence somente a Deus e que a nós resta amarmos uns aos outros pois somos todos dependentes da graça e poder de Deus tanto para o querer como o efetuar, qualquer ação que a palavra de Deus espera de nós.

4. O que mais necessitamos não é julgarmos o procedimento de alguém tentando provar a nós mesmos e ao mundo que somos melhores que o outro, mas precisamos sim que o “Deus da esperança nos enxade todo o gozo e paz no vosso crer, para que sejais ricos de esperança no poder do Espírito Santo” – Rom. 15:13

Pr. Silvano Barboza
Departamental da Escola Sabatina no Norte do Paraná (ANP)

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

COMPARTILHE

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More