sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Resumo da lição 10 da Escola Sabatina

CLIQUE NA IMAGEM ACIMA PARA BAIXAR O POWER POINT

Título: “As duas Alianças”

Texto-chave “Mas a Jerusalém lá de cima é livre, a qual é nossa mãe”. Gl 4:26.

Objetivos 1. Saber comparar e contrastar a antiga e a nova aliança com os filhos de Sara e Hagar e a relação deles com Abraão.

2. Sentir e alimentar atitudes de depreciação, fé e amor a Deus pela libertação do pecado.

3. Confiar nas promessas da aliança de Deus.

Verdade Central

Alguns entendem as duas alianças no sentido de a antiga estar baseada na lei e a nova, fundamentada na graça. Porém isso é um erro. A salvação nunca foi pela obediência à lei. As duas alianças não são questões de tempo; em lugar disso, elas são um reflexo das atitudes humanas e representam duas formas diferentes de tentar se relacionar com Deus.

Domingo: Princípios da Aliança

A interpretação que Paulo faz sobre a história de Israel em Gálatas 4:21-31 é considerada muitas vezes de difícil interpretação, mas, pode ser melhor entendida quando se compreende o conceito da aliança.

1. A palavra hebraica traduzida por “aliança” é berit. Ela ocorre quase trezentas vezes no Antigo Testamento e se refere a um contrato obrigatório, um acordo ou um tratado.

2. “De Adão a Jesus, Deus Se relacionou com a humanidade por meio de uma série de promessas da aliança que estavam centralizadas em um futuro Redentor, e que culminaram na aliança davídica. Para Israel, no cativeiro babilônico, Deus prometeu uma “nova aliança” mais eficaz em conexão com a primeira vinda do Messias “davídico”.

3. Qual foi a base da aliança original de Deus com Adão no Jardim do Éden antes do pecado? Gn 1:28; 2:2,3, 15-17. Seu foco principal era o mandamento de Deus de não comer o fruto proibido. Com a desobediência ficou impossível o cumprimento de seus termos para os seres humanos, agora corrompidos pelo pecado e Deus iniciou uma aliança de graça, com base na promessa de um Salvador.

Segunda-feira: A Aliança Abraâmica

Que promessa da aliança Deus fez a Abraão em Gênesis 12:1-5? Qual foi a resposta de Abraão?

Fazer dele uma grande nação; abençoá-lo, engrandecer-lhe o nome e abençoar todos os povos por meio dele e Abraão acreditou e aceitou as promessas e partiu pela fé, obedecendo ao chamado.

1. Podemos afirmar que a fé de Abraão foi crescente, que como qualquer falível ser humano, teve dúvidas ao longo do caminho, mas, pediu ajuda, acreditou e teve assegurado por Deus por meio de uma aliança a certeza de Sua promessa.

2. O Criador renovou Seu propósito redentor com a benção pronunciada sobre Abraão, e através dele a todos os seres humanos. Ele já havia abençoado Adão e Eva e depois Noé e seus filhos e agora Deus confirma Sua promessa de abençoar “todos os povos” em Sua obra universal de proclamação do evangelho.

3. Jesus, no fim das contas, deu sua vida para tornar Sua promessa uma realidade.

Terça-feira: Abraão, Sara e Hagar

Por que Paulo tinha uma visão tão depreciativa do incidente com Hagar? Que ponto crucial sobre a salvação foi apresentado através dessa história do Antigo Testamento?
Gl 4:21-31;Gn 16.

Hagar representava a aliança do Monte Sinai, que gerava filhos para a escravidão da salvação pelas obras da lei. A aliança do Monte Calvário estava fundamentada na promessa do Filho de Deus, com base na fé. Isaque e Sara foram símbolos dessa aliança.

1. Abrão e Sarai esperaram dez anos pelo nascimento do filho prometido, concluindo que Deus precisava de uma ajuda deles, Sarai deu Hagar a Abrão como concubina, uma precipitação que gerou problemas posteriormente.

2. Nessa história, temos um poderoso exemplo de como mesmo “um grande” de Deus falhou em sua fé quando enfrentou circunstâncias assustadoras.

3. Não houve nada de extraordinário e miraculoso no nascimento de Ismael, pois foi uma criança nascida “segundo a carne”. Tivesse Abrão confiado no que Deus lhe havia prometido, em vez de permitir que as circunstâncias dominassem essa confiança, nenhum problema teria acontecido, e muito sofrimento teria sido evitado.

Quarta-feira: Hagar e o Monte Sinai


Que tipo de relação de aliança Deus desejava estabelecer com Seu povo no Sinai? Quais são as semelhanças entre aliança e a promessa de Deus a Abraão?

Deus prometeu libertá-los da escravidão egípcia; eles seriam seu povo, e Ele seu Deus. Receberiam a terra da promessa, eles seriam reino de sacerdotes e deviam ser fiéis.
1. Existem semelhanças entre as palavras de Deus em Gênesis 12:1-3 e Suas palavras a Moisés em Êxodo 19. Em ambos os casos, Deus enfatizou o que Ele faria por Seu povo.

2. A aliança no Sinai foi destinada a apontar a pecaminosidade da humanidade e o remédio da graça abundante de Deus, simbolizada nas cerimônias do santuário. O problema com a aliança do Sinai não estava com Deus, mas com as promessas defeituosas do povo.

3. Da mesma forma que Abraão e Sara tentaram ajudar Deus a cumprir suas promessas, os israelitas procuraram transformar a aliança da graça de Deus em uma aliança de obras. Hagar simbolizava o Sinai, no sentido de que ambos revelam tentativas humanas de salvação pelas obras.

4. Paulo estava preocupado com o equívoco legalista dos gálatas em relação à lei, quando analisou as lições da vida de Abrão, Sara e Hagar.

Quinta-feira: Ismael e Isaque hoje

Nos tempos de Paulo os adversários legalistas afirmavam serem os verdadeiros descendentes de Abraão por causa da circuncisão e os gentios eram ilegítimos.

1. Esses legalistas não eram os filhos de Abraão, mas eram filhos ilegítimos como Ismael. Ao colocar sua confiança na circuncisão, eles estavam confiando na carne, como Sara fez com Hagar e como os israelitas fizeram com a lei de Deus no Sinai.

2. Ser o filho prometido trouxe a Isaque não somente bênçãos, mas também oposição e perseguição. Ele também desfrutava de privilégios do amor, proteção e favor relacionados com a condição de ser o herdeiro de seu pai.

3. Como descendentes espirituais de Isaque, não devemos ficar surpresos quando sofremos dificuldades e oposição, mesmo dentro da própria família da igreja.

Conclusão

1. A atitude da antiga aliança é aquela de fazer as coisas acontecerem, enquanto a atitude da nova aliança confia em Deus para realizar Seu propósito.

2. O parentesco com Abraão ou a circuncisão não podem salvar ninguém, a salvação é pela fé na Graça de Deus.

3. O fracasso dos Israelitas em cumprir as promessas feitas junto ao monte Sinai lhes ensinou acerca da necessidade de confiar no poder de Deus.

4. A exemplo de Isaque, obedecer à Cristo traz privilégios, mas também perseguições e o sentimento da grande necessidade da ajuda de Deus desperta nossa confiança e amor.

5. A exemplo de Abraão, Hagar, e Israel no Monte Sinai, muitas vezes somos levados a tentar fazer com que a palavra de Deus se torne realidade por nosso intermédio. Mas nossos esforços não apenas não funcionam, mas também causam tragédias. A graça de Deus traz bênçãos em lugar de tragédias.

Pr. Adilson Gonçalves
Departamental de Escola Sabatina no Paraná (ACP)

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

COMPARTILHE

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More