quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Resumo da lição número 1 da Escola Sabatina

CLIQUE NA IMAGEM AO LADO PARA BAIXAR O POWER POINT

Título: “O Deus Triúno”

Texto-chave
“Edifiquem-se, porém, amados, na santíssima fé que vocês têm, orando no Espírito Santo. Mantenham-se no amor de Deus, enquanto esperam que a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo os leve para a vida eterna”. Jd. 20:21


Objetivos

1. Saber: A natureza trinitária do único Deus absoluto.

2. Sentir: A necessidade do trio celestial atuando contra as forças do mal.

3. Fazer: Aceitar e ver o grande amor da Divindade ao se sacrificar pela humanidade.

Verdade Central

Há um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, uma unidade de três pessoas coeternas. Deus é imortal, onipotente, onisciente, acima de tudo e sempre presente. Ele é infinito e está além da compreensão humana, mas é conhecido por meio de Sua auto-revelação. As Escrituras contêm referências e sugestões com relação à divindade e unidade da Trindade divina.

Domingo: A Unicidade de Deus

Existe apenas um Deus?

1. A unicidade de Deus diz respeito a singularidade do ser divino. Existe um único Deus em contraste com mais de um.

2. A palavra hebraica “echad” (um, entre outros) utilizada em Dt. 6:4 e Gn. 2:24 se refere a uma unidade composta. Uma unidade que resulta da união de mais pessoas. Moisés poderia dispor da palavra “yachid” (um no sentido de único ou sozinho) se referindo a um no sentido unitário, mas não no sentido plural. Porém ele empregou o plural “echad”, significando um entre outros numa unidade combinada ou compartilhada.

3. As declarações bíblicas a respeito da existência de “um só DEUS” dizem respeito a um Deus absoluto, nada falam, porém sobre a natureza interior do único Deus absoluto.

Segunda-feira: A Divindade de Cristo

A Divindade de JESUS:

1. Em Fl. 2:6 são encontradas expressões que revelam a divindade de Cristo:
1. “Subsistindo em forma de Deus”. A palavra grega “morphe” (forma) denota todas as características e atributos essenciais de Deus. Segundo Millard Erickson a palavra “morphe” significa o conjunto de características que fazem de uma coisa aquilo que ela é. Ele possuía inerentemente a essência ou substância da natureza ou “forma” divina.

2. “Não julgou como usurpação ser igual a Deus?”. Paulo esta dizendo aqui que alguém que era igual ao Pai esteve disposto a abdicar “do status e privilégio que eram Seus no Céu”. Ele não desistiu de Sua natureza divina, mas, ao manifestar Sua atitude redentora e auto sacrifical, não considerou o privilégio de ser igual a Deus “algo a que devesse apegar-se” ou “agarrar-se em seu próprio benefício”.

3. Em Col. 2:9 é afirmado que em Jesus habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade. O termo grego para Divindade é “theotes”. O termo aplica-se a própria face de Deus, Sua expressa imagem, a própria transcrição de Seu ser. Ou seja, o apóstolo declara que na pessoa de Jesus Cristo temos a própria “essência” da natureza da divindade revelada “corporalmente”.

4. Em Hb. 1:8 e 9 o autor faz uso do Sl. 45:6 para falar de Jesus Cristo, o filho de Deus. Esta é a primeira de sete (João 1:1 1 18; 20:28; Rm. 9:5; Tt. 2:13; II Pd. 1:1) aplicações neotestamentárias diretas do termo grego para “Deus” (Theos) a pessoa de Jesus. Os autores do Novo Testamento estão se referindo a Jesus como Deus.

5. As declarações “EU SOU” ( Jo. 6:35; 8:12; 8:58; 10:7; 10:11; 11:25; 14:6; 15:1 e etc) no evangelho de João deixam claro a natureza divina de Cristo. Cristo utilizou o mesmo nome usado por Deus ao revelar-se a Moisés em Ex. 3:14, “EU SOU O QUE SOU”. Atributos divinos são enfatizados através do nome EU SOU:
➢ Onipotência (Jo. 6:20-21);
➢ Eternidade (Jo. 8:58);
➢ Presciência (Jo. 13:19);
➢ Manifestação de honra e poder divinos (Jo. 18:5, 6 e 8) e
➢ Jesus como fonte de Salvação (Jo. 8:24)

Terça-feira: O Espírito Santo

Quem é o Espírito Santo?

1. O Espírito Santo possui atributos divinos:

➢ Eterno (Hb. 9:14);
➢ Sabe todas as coisas (I Cor. 2:11);
➢ Criador (Gn. 1:2);
➢ Pode ser blasfemado (Mt. 12:31 e 32. Somente Deus pode ser blasfemado);
➢ Intercede com gemidos inexprimíveis (Rm. 8:26);
➢ Onisciente (I Cor. 12:11 / Evangelismo, 617);
➢ Onipresente (Sl. 139:7 e 8);
➢ Verdade (I Jo. 5:7);
➢ Vida (Rm. 8:2) e
➢ Poder (Lc. 1:35 e Rm. 15:19).

2. A evidência bíblica sugere fortemente que o Espírito Santo é uma presença pessoal (ver itens 1 ao 6) profundamente sensível, útil e poderosa, com a finalidade de orientar e guiar.

➢ É possível mentir – At. 5:3-4;
➢ Pode ser entristecido – Ef. 4:30;
➢ Possui vontade ou a capacidade de fazer escolhas – I Cor. 12:11;
➢ Guia e orienta – Rm. 8:16;
➢ Ensina – Jo. 14:26;
➢ Convence – Jo. 16:8

3. A menção do Espírito Santo na fórmula batismal (Mt. 28:9) é um indicativo de sua Divindade. Está presente em 1400 manuscritos (todos) do Evangelho de Mateus. A fórmula saiu dos lábios de Jesus. Era conhecida pelos “Pais da Igreja” (Eusébio, e etc). Nos escritos de Ellen G. White é citada 168 vezes.

4. Jesus apresentou o Espírito aos discípulos como o “outro Consolador” (Jo. 14:16). Visto que o termo grego “allos” significa “outro da mesma espécie”, segue-se que o Espírito Santo era da mesma espécie que Cristo, a saber, uma pessoa divina.

Quarta-feira: Unidade e Igualdade

A Pluralidade de Deus:

1. Textos que sugerem uma pluralidade na Divindade no A.T.:

➢ Dt. 6:4 – Uso inerentemente do plural “echad” (Unidade composta).
➢ Gn. 1:26 e 27 – O plural “Façamos o homem a nossa imagem”. Deus fala de si mesmo no plural.
➢ Gn. 3:22 – Referindo-se ao pecado de Adão e Eva, “disse o Senhor Deus: Eis que o homem se tornou como um de nós, conhecedor do bem e do mal”.
➢ Gn. 11:7 – Na história do pecado do povo junto a torre de Babel, Deus disse: “Vinde, desçamos, e confundamos a sua linguagem”.
➢ Is. 6:8 – Durante um visão o profeta Isaías relata ter ouvido a voz do Senhor, que dizia: “A quem enviarei, e quem há de ir por nós ?”

2. Textos que sugerem uma pluralidade na Divindade no N.T.:

➢ Mt. 28:19 – A palavra “nome” utilizada no singular para descrever o Pai, o Filho e o Espírito Santo na ordem batismal. Este texto sugere que o Santo trio é um em nome, uma vez que Eles compartilham o próprio caráter da divindade.
➢ II Cr. 13:13 – Apresenta a saudação apostólica.
➢ Mt. 3: 16 e 17 – Ao Jesus iniciar formalmente o Seu ministério público de redenção, todos os três membros do Trio Celestial se encontravam presentes. O Filho mostra-Se em Sua existência humana encarnada, o Espírito Santo se apresenta sob a forma de uma pomba, e o Pai Se revela com voz audível. Estes textos retratam poderosamente a unicidade de propósito da Divindade.

Quinta-feira: Trindade e Salvação

O Propósito da Divindade:

3. A Em virtude de Sua profunda unidade e triúna unicidade em natureza, podemos reconhecer que o Pai e o Espírito Santo estavam também profundamente presentes e solidários com a morte substituta de Cristo (Ver II Cor. 5:18 e 19).

4. A humanidade de Jesus achava-se tão vinculada a Sua plena divindade que, ao Ele morrer, podemos verdadeiramente dizer que toda a Divindade “estava em Cristo” e sofreu a Sua morte expiatória. Em Cristo Ele satisfez as necessidades da justiça através de Seu próprio auto-sacrifício divino e voluntário. Somente Deus poderia realizar o Sacrifício (Maior revelação de altruísmo do Deus Triúno).

5. O Deus triúno através do Filho suportou a penalidade do pecado como nosso substituto e fez uma provisão infinitamente valiosa e poderosa para a plena reconciliação de toda a raça humana. E se Deus pode fazer uma provisão tão eficaz para a humanidade alienada pelo pecado, isso assegura-nos que Ele também pode restaurar as divisões mais amplas do Universo.

6. Uma vez que Deus é eterno, as três pessoas sempre existiram. A definição Pai, Filho e Espírito Santo aparecem apenas depois da queda, dentro do plano da redenção.

7. “Há três pessoas vivas pertencentes ao trio celeste; em nome destes três grandes poderes, o Pai, o Filho e o Espírito Santo os que recebem a Cristo por fé viva são batizados, e esses poderes cooperarão com os súditos obedientes do Céu em seus esforços para viver a nova vida em Cristo”. Evangelismo, 615

Conclusão

1. A compreensão trinitária de Deus aponta-nos a exaltada experiência de tornarmos Deus o ponto central de toda adoração, formação moral, serviço e testemunho ao Mundo.

2. O Deus revelado nas Escrituras consiste de três pessoas divinas que existiram desde toda a eternidade em profunda unidade ou unicidade de natureza, propósito e caráter.

3. A verdade contida nesta profunda doutrina forma a base essencial para o próprio âmago do que representa o cristianismo.

4. Na Divindade vemos o único Deus absoluto, manifestado em três pessoas: O Pai parece atuar como fonte, o Filho como mediador e o Espírito Santo como atualizador ou aplicador. A encarnação ilustra de forma bonita o relacionamento funcional entre as três pessoas da Divindade: O Pai entregou Seu Filho. Cristo deu-se a Si próprio e o Espírito Santo operou a concepção de Jesus (Jo. 3:16, Mt. 1:18 e 20)

• Citações de Ellen White:

A) Os eternos dignitários celestes - Deus, Cristo e o Espírito Santo - munindo-os [aos discípulos] de energia sobre-humana, ... avançariam com eles para a obra e convenceriam o mundo do pecado. Manuscrito 145, 1901, citado no livro Evangelismo, 616.

B) “O Pai é toda a plenitude da Divindade”. “O Filho é toda a plenitude da Divindade” e o “Espírito Santo é toda a plenitude da Divindade”. Evangelismo, 614 e 615;

C) Cumpre-nos cooperar com os três poderes mais altos no Céu - o Pai, o Filho e o Espírito Santo - e esses poderes atuarão por nosso intermédio, fazendo-nos coobreiros de Deus. Special Testimonies, Série B, nº 7, pág. 51, citado no livro Evangelismo, 617.

Pr. João Nicolau Gonçalves
Distrito de Indaial/SC - ANC

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

COMPARTILHE

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More