terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Resumo da lição número 3 da Escola Sabatina

CLIQUE NA IMAGEM ACIMA PARA BAIXAR O POWER POINT

Título: Deus como Redentor


Texto-chave

Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças” (Ap 5:12).

Objetivos

1. Reconhecer que somente o Deus Criador pode ser o Redentor.

2. Compreender que o amor de Deus vertido na cruz é a única coisa maior, mais intensa e profunda do que o pecado.

3. Promover a decisão suprema: O que fazer com o evangelho da Cruz? Ignorar, vivendo o pecado até a morte, ou aceitar e testemunhar até receber a salvação eterna?

Verdade Central

Não por obras, ou qualquer outra coisa que possamos fazer, mas somente pela graça de Cristo manifestada na cruz, é que podemos ser resgatados do pecado e sermos aproximados de Deus. Cristo suportou a ira de Deus para que nenhum de nós jamais tivesse que suportá-la, e esta é a essência do plano da salvação.

Domingo: Na cruz

Cristo morreu para criar em Deus o amor pelo pecador ou por causa do amor de Deus pelo pecador? João 3:16 responde e amplia.

1. Jesus nunca teve que convencer o Pai a nos amar. Deus não passou a nos amar porque Cristo morreu por nós; Cristo morreu por nós porque Deus nos amava.

2. A verdadeira tragédia é que pecamos contra Deus e perdemos grande parte do conhecimento de Deus, nem sequer sentimos a necessidade de arrependimento, porque nem sempre temos certeza do quanto temos ofendido a Deus com nossos pecados. O moderno sentimentalismo religioso muitas vezes minimiza a repugnância ao pecado.

3. Paulo não teve medo de falar sobre a ira de Deus. O amor de Deus é a razão de Sua ira ter sido lançada contra o pecado e o mal; que corromperam e destruíram Seus amados filhos.

Segunda-feira: O evangelho no Antigo Testamento

Grande Descoberta: Graças à onisciência de Deus, capaz de reconhecer o pecado antes da sua concepção, o evangelho da graça é mais antigo que o próprio pecado. Foi apresentado ainda no Éden, e escrito desde o Antigo Testamento.

O evangelho da ira de Deus:

1. Gênesis 3:15 apresenta o primeiro anúncio do evangelho após a entrada do pecado no Éden.

2. Em Romanos 16:20 Paulo amplia o conceito de Gênesis 3:15 e anuncia com clareza que Deus esmagará Satanás, o pecado e o mal.

3. A história de Abraão e Isaque, em Gênesis 22, ilustra a dor e o amor de Deus atuando junto de Sua ira contra o pecado. Levando o amoroso pai sentenciar seu unigênito e inocente Filho à morte. A diferença para Abraão é que Deus completou a execução da sentença, até a morte do Filho.

Terça-feira: Salvação em Isaías

Qual a essência, grande ênfase e revelação do evangelho de Cristo pregado em Isaías 53?

1. A grande ênfase do evangelho de Cristo pregado em Isaías 53, é o caráter substituto do servo sofredor.

2. A única maneira de nos salvar era Jesus pagar a penalidade em nosso lugar e, só então, nos oferecer Sua perfeita justiça, que reivindicamos pela fé.

3. Isaías 53 apresenta a mais clara explanação teológica da cruz, mostrando todos os significados da cruz, apontam para Cristo morrendo em nosso nome, suportando em Si mesmo o castigo que merecemos.

Quarta-feira: Os evangelhos e a cruz

Qual é o foco central dos evangelhos?

1. Acima da grandeza das ações de Jesus, ou da profundidade dos Seus ensinamentos, a Cruz é o grande foco dos evangelhos.

2. O grande esforço de Jesus, nos quatro evangelhos, esteve em preparar os discípulos para a grande prova da cruz.

3. Os quatro escritores dos evangelhos decidiram enfatizar a última semana da vida de Cristo e Sua morte. Cada leitor é "forçado" a prestar atenção no grande ato redentor de Deus e no Seu grande amor.

Quinta-feira: O brado na cruz

Você pode lembrar-se de alguns dos muitos paradoxos da cruz? Mencione alguns e descubra qual é o maior de todos.

1. O maior paradoxo da cruz, é que a morte de Cristo na cruz não pode ser comparada a nenhum exemplo de grande sacrifício de amor altruísta. Mais do que isto, só Deus poderia morrer na cruz, para que Deus recebesse em Seu próprio corpo, a dor de Sua própria ira, contra o pecado de quem Ele quisesse salvar.

2. Os brados de Cristo na cruz revelam que o Salvador não podia enxergar para além dos portais do sepulcro... Temia que o pecado fosse causar eterna separação de Deus... Mas revela também a fé no amor do Pai, clamando e se entregando a Ele, em cada angústia, desespero e sentimento de desamparo.

3. O "brado de desamparo" de Jesus é o clamor mais doloroso da Bíblia. Não existe nenhuma expressão que se iguale à de Jesus na cruz. Nessse brado temos um vislumbre do que o Senhor estava disposto a sofrer, a fim de nos trazer a salvação.

Conclusão

1. Nas Escrituras, Deus é retratado como tendo grande amor pelos pecadores e também como tendo grande ira contra o pecado. Alguns acham que o amor e a ira de Deus são conflitantes e competem a própria natureza de Deus. Não seria o amor de Deus pelos pecadores, uma das principais razões pelas quais Ele está irado contra o pecado?

2. O que o ato de Cristo como Salvador nos ensina sobre o amor divino?

3. A compreensão da santidade de Deus, em contraste com nossa pecaminosidade, nos ajuda a entender melhor o alto preço de nossa salvação.

Desde as primeiras páginas de Gênesis, a Bíblia aponta Cristo na cruz, onde Ele morreria a morte do pecador, a fim de nos redimir da destruição eterna que o pecado traz. Embora a Bíblia use símbolos e metáforas diferentes para explicar a morte de Cristo, no centro de tudo isso está Sua função como substituto. Afinal, o que mais, seres caídos como nós, poderiam acrescentar a esse sacrifício?

"A infinita misericórdia e amor de Jesus, o sacrifício feito por Ele em nosso favor demandam a mais séria e solene reflexão. ... Ao contemplarmos assim os temas celestiais, nossa fé e amor se fortalecerão, e nossas orações serão cada vez mais aceitáveis a Deus, porque a elas se misturarão cada vez mais a fé e o amor. Serão inteligentes e fervorosas." (Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 89).

Pr. Elton Bravo
Departamental do Ministério Jovem da ACSR

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

COMPARTILHE

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More