sexta-feira, 13 de abril de 2012

Esperança em meio ao sofrimento

“O Senhor perdoa todos os meus pecados e cura todas as minhas doenças.” Salmo 103:3 (NTLH)

O início do ano 2009 parecia ser mais um ano no qual a vida transcorreria normalmente, sem surpresas. No período de férias, levei minha família para fazer alguns exames de rotina. O endocrinologista detectou em minha filha Cristiane algo que lhe chamou a atenção e nos pediu que realizássemos exames mais detalhados em sua tireoide. Ficamos preocupados e procuramos fazer imediatamente tudo o que era possível, pois logo ela retornaria para a faculdade - UNASP. Não foi possível fazer todos os exames, e alguns ficaram para ser realizados em São Paulo.

Agora, à distância, nós em Rio Verde–GO, e ela com sua irmã em São Paulo capital, aprenderíamos mês a mês a conviver com esse nódulo estranho que se infiltrava em nossa família sem pedir licença ou permissão. Após todos os exames realizados, verificou-se a presença de um nódulo cístico medindo 2,4 cm e volume de 4,47 cm³. Numa punção a que ela foi submetida, constatou-se que havia células atípicas e suspeitou-se ser um nódulo maligno. Portanto, uma intervenção cirúrgica seria necessária.

Aguardamos as férias de julho para realizar o procedimento, mas aquele primeiro semestre do ano parecia querer não passar, e as preocupações aumentavam dia a dia.

Marcou-se o dia da cirurgia, e o médico disse que não seria removida toda a tireoide, mas, sim cerca de um terço para que outros exames pudessem lhe dar condições do que fazer posteriormente. A nossa preocupação aumentou. Porém, procurávamos ser o mais confiantes possível para encorajá-la e fortalecê-la nesse momento difícil. Pedimos orações dos parentes, irmãos da igreja, pastores e amigos. Recebemos muito apoio, e a esperança de que Deus estava no controle nos fortalecia. Quando a deixamos na porta do centro cirúrgico, ela disse para sua irmã Patrícia: “Não precisa chorar, maninha. Eu volto logo”. Eu e minha esposa pudemos ver naquele momento o quanto Deus havia preparado nossa filha para a cirurgia.

A operação foi um sucesso. Durante a cirurgia, quando o médico visualizou a tireóide, pôde ver que o nódulo não era maligno e retirou somente a parte direita afetada. Mesmo assim, por precaução, o material foi enviado para análise. Ela teve uma excelente recuperação. No dia de retirar os pontos, dentre os pacientes operados no mesmo período, ela era a que estava melhor. Foi tudo um milagre. Mas agora faltava a última notícia para tranquilizar nossos corações: era saber se realmente o nódulo era benigno. Quando o médico nos apresentou o laudo, sentimos naquele momento que podem, sim, ocorrer milagres para aumentar ou diminuir a nossa fé. Depende de como temos esperança em nosso Deus. Não somente nas respostas favoráveis, mas, ainda em respostas nas quais não entendemos o seu propósito. O laudo foi positivo. O tumor era benigno, e nossa filha estava bem.

Querido leitor, ao sair para suas atividades deste dia, lembre-se: “Breve Jesus voltará”. No novo Céu e na Nova Terra, “não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor...” (Ap 21:4). O nosso Deus é o Deus da Esperança. Em Seu Filho Jesus, temos vida e salvação, e sempre podemos confiar nEle.

Pr. Luis Alberto P. Loli
Associação Brasil Central - UCOB

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

COMPARTILHE

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More