domingo, 24 de março de 2013

A Missão de Maria

 

MATEUS 1:18-25


OBJETIVO DO SERMÃO: Mostrar que há um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, Homem (1 Timóteo 2:5).

INTRODUÇÃO:

Uma senhora analfabeta foi ao médico e, depois de realizar alguns exames, ele lhe perguntou:

– A senhora é cristã, não é? Eu gosto muito dos cristãos, mas só há um problema: eles falam muito em Jesus, porém, falam pouco sobre Maria. Depois de alguns momentos de silêncio, foi ela quem falou:
– Doutor, posso lhe fazer uma pergunta também?
– Sim.
– Se eu chegasse aqui e sua secretária me dissesse que o senhor não estava, mas que a sua mãe me atenderia em seu lugar, o senhor acha que eu iria querer ser atendida por ela?
 – Claro que não, quem se formou em Medicina fui eu e não ela! – Muito bem, doutor, quem morreu na cruz por mim foi Ele, e não ela! Essa história não diminui o valor de Maria, a querida mãe de Jesus. Apenas apresenta a quem realmente devemos nossa vida.

O fato é que nenhum de nós pode contar a história de Jesus e excluir Maria. Ela recebeu uma missão de suprema magnitude. Essa missão que ela aceitou em sua vida pode ser resumida em três atos:

• Dar à luz o Salvador. 
• Dar um nome ao Salvador.
• Aceitar o Salvador.

I – DAR À LUZ O SALVADOR

Com a entrada do pecado neste mundo, surgiu a necessidade de um Salvador. O apóstolo Paulo justifica essa necessidade em Romanos 5:20. Em Gênesis 3:15, temos a primeira promessa de um Salvador. Cerca de quatro mil anos depois, a promessa se cumpriu “na plenitude do tempo” (Gálatas 4:4) – no tempo de Deus.

As profecias indicavam que o Messias viria ao mundo com a participação de uma mulher. (Isaías 7:14). Quando o tempo de Deus se cumpriu, uma virgem, noiva de um viúvo, foi escolhida para o papel de mãe do Messias. A escolha dessa virgem foi feita pelo Senhor. “... o Senhor não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o Senhor, o coração” (1 Samuel 16:7).

Como a fecundação não contou com genes humanos, Maria ficou grávida sem depender da participação de um homem. O caráter de Maria se revela em sua total submissão. Ela poderia ter pedido: “Senhor espere primeiro eu me casar para depois aparecer grávida.” Poderia ter alegado: “O que vão pensar de mim se eu aparecer grávida sem ser casada? O que meu noivo irá pensar?”

Ela não fez nenhuma objeção. Sua resposta foi: “Aqui está a serva do Senhor; que se cumpra em mim conforme a tua palavra” (Lucas 1:38). Maria confiou em Deus para resolver todos os problemas que viriam, inclusive com José, seu noivo. E Deus resolveu. Deus resolve todos os nossos problemas quando confiamos nEle. Após o período normal de gestação, ela cumpriu o primeiro ato de sua missão: deu à luz o Salvador do mundo. O segundo ato não era menos complexo que o primeiro: dar um nome ao Salvador.

II – DAR UM NOME AO SALVADOR

O nome com que o Menino deveria ser registrado foi dito antes de Ele nascer. Seu nome estava relacionado com a Sua missão. “Emanuel, que quer dizer: Deus conosco” (verso 23).

Naquela época, a maioria dos nomes tinha um significado. Quando os pais davam nomes aos seus filhos, assumiam o compromisso de educá-los de modo a fazer jus ao seu significado. “Na Bíblia, a atribuição do nome estava relacionada à expectativa dos pais, a algum fato ocorrido durante a gravidez, ao momento do parto, ou à esperança que ele representava” (Internet – nomes-biblicos.blogspot.com/ – Sobre Apocalipse 2:17).

Assim, a tarefa dos pais não era simplesmente dar nome aos filhos. Era muito mais do que isso, era educar o filho para que ele pudesse viver em harmonia com o significado do nome que recebeu.

Portanto, o segundo ato da missão de Maria era educar o menino Jesus para que honrasse o significado do Seu nome, “porque Ele salvará o Seu povo dos pecados deles” (verso 21).

Ellen White comenta o seguinte: “Nos dias de Jesus, os judeus davam muita importância à educação dos filhos. Suas escolas eram anexas às sinagogas ou casas de culto; os mestres denominavam-se rabinos e eram pessoas que se supunham dotadas de cultura. Jesus não frequentou essas escolas, porquanto ensinavam muitas coisas que não eram verdadeiras.

Em vez da Palavra de Deus, eram os preceitos dos homens que ali se estudavam, e muitas vezes estes estavam em contradição com o que Deus havia ensinado pelos profetas. Deus mesmo, por Seu Espírito, instruiu Maria como devia educar seu Filho. Maria instruía a Jesus nas Santas Escrituras, e Ele as lia e estudava por Si mesmo” (E. G. White, Vida de Jesus, 1987, p. 38).

“Jesus apreciava também o estudo das maravilhas de Deus no Céu e na Terra. Nesse livro da natureza, admirava as plantas, os animais, o Sol e as estrelas. Anjos do Céu O assistiam, ajudando-O a aprender desse livro acerca de Deus” (Ibid., p. 39).

Maria conseguiu. “E crescia Jesus em sabedoria, estatura e graça diante de Deus e dos homens” (Lucas 2:52).

III – ACEITAR O SALVADOR

A. Bullón, tratando desse tema, fez o seguinte comentário em um dos seus sermões:

Vou tratar agora de um assunto muito delicado: a Santa Virgem Maria. Como todos sabemos, o inimigo é muito astuto. Ele não quer cristãos equilibrados. Ele quer nos levar ao fanatismo ou ao liberalismo. Isto é certo com relação a qualquer assunto da Bíblia.

Vejam, o inimigo leva muitos cristãos que têm a Bíblia nas mãos a pensar do seguinte modo: A virgem Maria não é importante. Ela foi uma mulher como qualquer outra. Não temos que falar muito dela porque isso é idolatria.

Se um cristão, com a Bíblia aberta, diz isso, ele não sabe o que está dizendo, porque a virgem Maria foi um ser humano sim, mas não foi um ser humano comum. Ela foi uma mulher com uma experiência maravilhosa com Deus. Ela foi uma mulher de vida piedosa, exemplar.

Hoje, a figura da virgem Maria se levanta como um exemplo de vida, de entrega e de comunhão com Deus. Por isso, ela merece todo o nosso respeito e a nossa admiração.

Entretanto, o inimigo não quer pessoas equilibradas. Ele tanto leva os cristãos ao extremo de serem desrespeitosos com ela, como as engana e as leva para outro extremo.

Existem muitas pessoas sinceras e maravilhosas que pensam assim: “A virgem Maria é a nossa salvadora. Temos que ir a ela porque talvez ela possa nos salvar, possa resolver os nossos problemas.

Não estamos passando por dificuldades? Vamos nos ajoelhar perante ela... ela pode nos ajudar.” Essas pessoas agem desse modo com toda a sinceridade. No momento de desespero, procuram a ajuda da santa virgem Maria. E os cristãos do outro extremo olham para elas com olhos acusadores e dizem: “Vocês são idólatras. Adoram um ser humano.”

No casamento de Caná da Galileia, as pessoas tinham Jesus presente, mas em lugar de ir a Ele, foram à virgem Maria, e ela, com todo o carinho, lhes disse: “Filhos, eu não posso resolver esse problema, mas conheço a única Pessoa que pode fazer isso para vocês.”

E os levou a Jesus. Se hoje ela estivesse viva, com certeza faria a mesma coisa. A Bíblia afirma que a virgem Maria, por mais extraordinária e piedosa que tenha sido, precisava de um Salvador. Veja uma de suas orações: “A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador” (S. Lucas 1:46, 47).

Amigos, se ela precisava de um Salvador, era porque ela era um ser humano e não tinha condições de salvar ninguém. Tudo bem, você pode estar me dizendo: “Eu não a tenho como minha salvadora. Ela só é a minha intercessora, minha intermediária, minha mediadora.” Quanto a isso, a Palavra de Deus diz: “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo Homem” (1 Timóteo 2:5).

Isso é o que diz a Bíblia. É só Jesus Cristo e mais ninguém. É por isso que quando os homens no casamento de Caná foram até Maria pedindo ajuda, ela, com o maior carinho, os levou a Jesus. Jesus era o único capaz de resolver problemas.

Se a santa virgem Maria (a quem amo e respeito muito, porque quando Deus escolheu uma mulher para gerar Seu Filho neste mundo escolheu essa piedosa mulher) estivesse viva e hoje pudesse falar quando uma pessoa fosse a ela pedindo ajuda, ela a abraçaria e lhe daria talvez um beijo de amor, e com carinho lhe diria: “Filho, eu lhe agradeço pela sinceridade de coração com que você vem a mim, mas não posso fazer o que você me pede. Eu também sou um ser humano. Eu também preciso de um Salvador. Jesus é o único Mediador entre você e o Pai.”

Voltemos agora ao casamento de Caná da Galileia e vejamos o que Maria disse aos homens: “Vocês querem que o problema da falta de vinho seja resolvido? Então, façam tudo o que Ele vos mandar.” Essa é a declaração mais bonita que a santa virgem Maria nos deixou. Se Ele mandar você ir para a direita, vá para a direita; se Ele disser para ir para a esquerda, vá para a esquerda. Por favor, não tente mudar o que Ele mandou. Cumpra o que Ele ordenou.

Nós, os seres humanos, não temos humildade suficiente para ir à Bíblia e fazer o que Ele nos manda. Estamos sempre tentando corrigir a Deus e tendemos a interpretar e colocar as nossas próprias opiniões. Não podemos viver fazendo certas modificações que nos são convenientes. É a virgem Maria quem diz: “Não faça isso. Se você não quiser criar problemas para você mesmo, faça tudo o que Ele ordenou.” Sabe por que a virgem Maria deu esse conselho? Porque, muitas vezes, as coisas que Deus nos pede parecem loucura.

Naquele casamento em Caná da Galileia, os homens se dispuseram a obedecer a Jesus. E sabe o que aconteceu? Jesus lhes disse: “Enchei essas vasilhas com água!” Os homens olharam para Jesus e disseram: “Senhor, Tu não estás entendendo o nosso problema. O nosso problema não é a falta de água, e sim de vinho!” Mas a virgem Maria havia dito: “Fazei tudo o que Ele vos disser.”

Deus, por certo, vai nos pedir coisas que parecem incoerentes e loucura aos nossos olhos. Encher as vasilhas com água... para quê? Não precisamos de água, precisamos de vinho. Mas não discuta com Deus. Se Deus mandou encher as vasilhas com água, obedeça. Deus conhece o seu problema e quer solucioná-lo.

Os homens, um tanto incrédulos, encheram as vasilhas com água. Então Jesus lhes disse: “Podem servir.” Eles olharam as vasilhas, e lá dentro havia água. Novamente Jesus lhes disse: “Sirvam.” E eles pensaram: “Senhor, Te obedecemos até aqui, mas não vamos continuar.

Servir água em lugar de vinho é a maior humilhação que um anfitrião pode passar.” Na verdade, nós, os seres humanos, somos muito imediatistas. Queremos ver os resultados logo. E com Deus, às vezes, as coisas não funcionam dessa maneira.

Talvez você não esteja entendendo a magnitude do problema daquele casal. Naquele tempo, se acabasse o vinho numa festa de casamento, essa seria a maior vergonha que alguém poderia passar na vida. Essa história é a história de um casal à beira da desgraça. Entretanto, um milagre divino transformou a água em vinho e resolveu o seu problema.

Eu pergunto: Aquele Jesus que teve poder para transformar a água em vinho não tinha poder para encher as vasilhas? Claro que tinha. Por que então ordenou que enchessem as vasilhas com água? Aqui está a participação humana. Deus não pode forçar ninguém. Ele pode transformar sua vida e fazer milagres. O que Ele não pode fazer é entrar em seu coração sem a sua licença.

Você tem que abrir o coração a Ele. Você tem que encher a vasilha com água. Para Deus, não importa a distância que você está dEle. Não importa o tamanho do seu problema. Não importa quão baixo você caiu. O milagre é com Deus. A decisão é com você.

Maria ensinou isso a todos nós. Seu nome carrega as MARCAS DE ESPERANÇA.

CONCLUSÃO:

Temos visto marginais, prostitutas, homossexuais, ateus e agnósticos caindo aos pés de Cristo. Hoje, eles são homens e mulheres transformados pelo poder de Deus. Homens e mulheres com as MARCAS DE ESPERANÇA. Não há nada que Jesus não possa fazer. Ele vive e está perto de você, mesmo que você não possa vê-Lo.

APELO: Jesus está chegando. Está batendo à porta de seu coração, porém, Ele não pode entrar sem que você diga SIM. Não existe outra maneira de você receber o grande milagre da transformação a não ser pela sua decisão a favor de Cristo.

Não basta apenas saber que Ele nasceu. Não basta saber o que significa o Seu nome. É necessário fazer uma oração sincera, à semelhança de Maria, e aceitá-Lo como seu Salvador. Só assim a vida se encherá de alegria!

Se você sente que seus sonhos estão se desmoronando, deixe que Jesus os reconstrua. Se você sente que deve abrir o coração a Jesus, não espere mais. Dê a Ele uma oportunidade. Entregue-se a Jesus e deixe-O consertar as coisas erradas em sua vida. Através de Seu amor, Ele quer colocar em sua vida as MARCAS DE ESPERANÇA!

1 comentários:

Que maravilhosa missão: Educar, aceitar e carregar o Filho de Deus.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

COMPARTILHE

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More