domingo, 17 de novembro de 2013

Resumo da lição número 8 da Escola Sabatina


http://www.usb.org.br/admin/files/arquivos/443326c0cfa4d5ca6c7441e5cb6d9527.zip 
CLIQUE NA IMAGEM ACIMA PARA BAIXAR O POWER POINT E O RESUMO EM WORD


TÍTULO: “Cristo, nosso Sacerdote”.

TEXTO-CHAVE

“Ora, o essencial das coisas que temos dito é que possuímos tal Sumo Sacerdote, que Se assentou à destra do trono da Majestade nos Céus, como ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu não o homem” (Hb. 8:1,2).

OBJETIVOS:

1. Estudar a obra de Jesus e Seu ministério diário.

2. Ver de forma prática, Sua obra em nosso favor.

3. Encontrar grande conforto em saber que Jesus agora está na presença de Deus, aplicando em nosso favor os méritos de Seu sacrifício.

VERDADE CENTRAL

A mensagem do santuário oferece esperança e encorajamento até mesmo ao mais fraco de Seus seguidores.

DOMINGO: Nosso Sumo Sacerdote

Como Cristo se encaixa e cumpre o sacerdócio prometido, segundo a ordem de Melquisedeque?

Melquisedeque é o rei da cidade de Salém (Salém significa “paz”). Então ele é o “Rei da Paz”. Seu nome significa “Rei da Justiça”, o que fala de seu caráter.

Ele é separado da História, uma vez que sua linhagem familiar não é dada; seu nascimento e morte não são mencionados, por isso, parece que ele não teve início nem fim; ele é “sacerdote do Deus Altíssimo”. O sacerdócio de Melquisedeque é superior ao sacerdócio levítico, porque por meio de Abraão, Levi deu o dízimo a Melquisedeque (Hb 7:4-10). Melquisedeque, portanto, é um tipo de Cristo.

Jesus cumpriu tanto o sumo sacerdócio arônico quanto o sumo sacerdócio de Melquisedeque, de maneira melhor que qualquer um desses sacerdotes, ou sacerdócios, fez ou poderia fazer. Ambos os tipos encontraram seu antítipo em Cristo.

SEGUNDA-FEIRA: Advogado e Intercessor

O que Romanos 8:31 – 34 têm que nos faz sentir mais seguros em meio ao Grande Conflitos entre o bem e mal?

A promessa de que nada nem ninguém pode nos separar do amor de Deus se centraliza em vários pontos importantes: “Deus é por nós” (v. 31), Deus entregou Seu Filho por nós (v. 32), Deus nos dá graciosamente todas as coisas (v. 32) e Deus nos justifica (v. 33).

Essa verdade se torna ainda mais clara em I João 2:1, 2. A palavra grega “parakletos” indica um assessor jurídico ou advogado, alguém que aparece em favor de outro como “intercessor”. Jesus é nosso Advogado e nos defende porque, de outro modo, não teríamos esperança.

Nosso advogado é “justo”, o que nos dá a certeza de que o Pai ouvirá a intercessão de Cristo, porque Ele não poderia fazer nada que pudesse ser rejeitado por Seu justo Pai.

TERÇA-FEIRA: Mediador

Tendo Cristo como nosso Mediador junto ao Pai, temos esperança. O que o Pai espera que entendamos definitivamente para experimentarmos essa verdade pessoalmente? (ITim. 2: 4 – 6)

Cristo é chamado de único Mediador entre Deus e os homens. Não existe nenhum outro porque, na verdade, ninguém mais é necessário. Por meio da obra de Cristo como Mediador, salvação e conhecimento da verdade são disponíveis a todos (1Tm 2:4).

“Mediador” é um termo do antigo mundo comercial e jurídico da Grécia. Ele descreve alguém que negocia ou atua como árbitro entre duas partes, para remover uma discórdia ou para alcançar um objetivo comum, a fim de estabelecer um contrato ou aliança.

A referência de Paulo a Ele como “Cristo Jesus, homem” expressa Sua qualidade única de ser tanto humano quanto divino (1Tm 2:5). Por ser, ao mesmo tempo, Deus e homem, Jesus é capaz de ligar o Céu e a Terra com laços que nunca podem ser rompidos.

QUARTA-FEIRA: O grande Sumo Sacerdote

Quais os atributos de Cristo descritos em Hb. 4: 14, 2:17, 7:26, e o que esses atributos nos dizem acerca de nossa garantia de salvação?

Ele Se compadece das nossas fraquezas (Hb 2:18; 5:2, 7). Uma vez que Ele viveu como ser humano, podemos crer que Ele é um compassivo e perfeito Ajudador. No entanto, Ele não está na mesma situação em que nós estamos, porque é “sem pecado” (Hb 4:15).

Ele está acima de nós. Como Sumo Sacerdote, Jesus não está na comunidade dos cristãos, como Moisés esteve entre os israelitas. Ele está acima de nós, como um Filho que preside a casa de Seu Pai (Hb 3:6). Cristo desfruta de plena autoridade entre os santos.

Ele foi tentado como nós somos. A origem divina de Jesus não Lhe deu direitos exclusivos. Ele foi tentado à nossa semelhança (Hb 4:15). As tentações escolhidas no deserto da Judeia mostram que Ele foi tentado nas dimensões física, mental e espiritual (Mt 4:1-11).

QUINTA-FEIRA: O único sacrifício

Leia Hb. 10: 1- 14. Qual certeza esse texto traz, e que atitude devemos tomar ao compreendermos essa verdade? Que exemplos práticos podem ser apresentados?

Muitas verdades cruciais ressoam desse texto. Umas das mais importantes é que a morte de todos aqueles animais não foi suficiente para resolver o problema do pecado (Hb.10: 4). Eles apenas apontavam para a solução, mas não eram a solução. A solução era Jesus, Sua morte e Seu ministério no santuário celestial em nosso favor.

Observe outro ponto crucial nesse texto: a suficiência total da morte de Cristo. Embora os sacrifícios de animais tivessem que ser repetidos muitas vezes, dia após dia, ano após ano, o sacrifício único de Jesus foi suficiente (afinal, considere quem foi sacrificado!).

Deus revelou poderosamente essa verdade fundamental quando o véu interior do santuário terrestre foi rasgado de modo sobrenatural, após a morte de Jesus (Mt 27:51).

CONCLUSÃO

Jesus é o Intercessor compassivo, misericordioso e fiel Sumo Sacerdote. “Ele, a Majestade do Céu, o Rei da glória, pode olhar para o homem finito, sujeito às tentações de Satanás, sabendo que sentiu o poder das artimanhas de Satanás” (Ellen G. White, Christian Education [Educação Cristã], p. 160).

“A consciência pode ser libertada da condenação. Pela fé em Seu sangue, todos podem ser aperfeiçoados em Cristo Jesus. Graças a Deus por não estarmos lidando com impossibilidades. [...]. Não devemos estar ansiosos acerca do que Cristo e Deus pensam de nós, mas do que Deus pensa de Cristo, nosso Substituto” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v.2, p.32, 33).

Nosso Sumo Sacerdote, Jesus Cristo, é a certeza da nossa salvação. Ele aplica os efeitos e benefícios de Seu sacrifício e sangue. Com Ele ao nosso lado, não temos nada a temer. CREIA NESSA VERDADE E VIVA MAIS FELIZ.

MARCOS AURELIO DIAS ROMANO 
DISTRITO DE LAGEADO BAIXO 
Associação Catarinense

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

COMPARTILHE

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More